Denis Noble, biólogo britânico, detona a Síntese Evolutiva Moderna!!!

quarta-feira, junho 26, 2013

Dr. Denis Noble (Universidade de Oxford): a fisiologia está balançando os fundamentos da biologia evolucionária!!!

Review article for Experimental Physiology 

Revised following referee reports 

31 march 2013 

Physiology is rocking the foundations of evolutionary biology 

Denis Noble 

Department of Physiology, Anatomy & Genetics, 

Sherrington Building, Parks Road, Oxford, OX1 3PT UK 


The “Modern Synthesis” (Neo-Darwinism) is a mid-twentieth century gene-centric view of evolution, based on random mutations accumulating to produce gradual change through natural selection. Any role of physiological function in influencing genetic inheritance was excluded. The organism became a mere carrier of the real objects of selection: its genes. We now know that genetic change is far from random and often not gradual. Molecular genetics and genome sequencing have deconstructed this unnecessarily restrictive view of evolution in a way that reintroduces physiological function and interactions with the environment as factors influencing the speed and nature of inherited change. Acquired characteristics can be inherited, and in a few but growing number of cases that inheritance has now been shown to be robust for many generations. The twenty-first century can look forward to a new synthesis that will reintegrate physiology with evolutionary biology. 

Keywords Evolutionary theory, evolutionary biology, Modern Synthesis, Central Dogma, epigenetic inheritance, Lamarckism, transposons.

23 anos após Jonathan Wells, Padian corrige algumas deturpações comuns de evolução nos livros didáticos e na mídia!!!

Correcting some common misrepresentations of evolution in textbooks and the media

Kevin Padian

Correspondence: Kevin Padian

Author Affiliations

Department of Integrative Biology and Museum of Paleontology, University of California, Berkeley 94720-4780, USA

Evolution: Education and Outreach 2013, 6:11 doi:10.1186/1936-6434-6-11

Published: 25 June 2013


Topics related to evolution tend to generate a disproportionate amount of misunderstanding in traditional textbooks, other educational materials, and the media. This is not necessarily the fault of textbook and popular writers: many of these concepts are confusingly discussed in the scientific literature. However, faults can be corrected, and doing so makes it easier to explain related concepts. Three general areas are treated here: ideas and language about evolution, historical and philosophical aspects of evolution, and natural selection and related concepts. The aim of this paper is to produce a template for a more logical, historically and scientifically correct treatment of evolutionary terms and concepts.

Keywords: Evolution; Evolution education; History of biology; Natural selection; Charles Darwin



A Nomenklatura científica é intencionalmente DESONESTA contra os críticos do fato, Fato, FATO da evolução ser uma verdade científica tão bem estabelecida assim como a Terra gira em torno do Sol e a lei da gravidade. 

O que é bom em ciência é que a ciência não pode andar de mãos dadas com a mentira! Kevin Padian, um crítico severo da teoria do Design Inteligente, se rendeu às evidências - embora não cite o livro Icons of Evolution, de Jonathan Wells, que há 23 anos atrás já tinha denunciado a desonestidade dos autores de livros didáticos de Biologia do ensino médio!!!

Como aqui e ali afirmo neste blog - Nada melhor do que ser vindicado por um evolucionista, especialmente um evolucionista fundamentalista, ortodoxo, pós-moderno, chique e perfumado a la Dawkins como o Kevin Padian...

Queria ver a cara de alguns cientistas da Nomenklatura científica e da Galera de meninos e meninas de Darwin, vendo e lendo um artigo de um evolucionista desnudando a desonestidade dos autores de livros didáticos, coisa que este blogger faz no Brasil desde 1998. E até hoje nenhum deles me processa por danos morais e materiais! Não fazem porque sabem que Darwin vai junto comigo para o banco dos réus!!!

Pobre ciência que precisa de fraudadores!!!

A morte do artigo sobre genomas

terça-feira, junho 18, 2013

Front. Genet., 06 May 2013 | doi: 10.3389/fgene.2013.00072

Death of the genome paper

David Roy Smith*

Department of Biology, Western University, London, ON, Canada

There is a bloated folder on my laptop computer called Limbolandomics, and stuffed inside it are dozens of genome sequences eagerly waiting to be analyzed, written up, and published. I haven't told the sequences yet, but their chance to shine in the academic spotlight, to have their nucleotides forever inscribed in the annals of scientific literature, even in an obscure journal, may never come. The “genome paper” is dying and could soon be dead.

Not long ago, a folder full of genomes would have been worth its weight in high-impact publications. The formula was simple. Open with a catchy introduction about the organism of interest, emphasizing its broad biological importance and the many questions that its DNA sequence will help answer, then describe the genome in all its glory, using beautiful chromosome maps and dizzying Venn diagrams.

Genome papers have been the bread and butter of evolutionary biologists and geneticists for decades. They've been cultivated, packaged, promoted, and used to describe just about every type of DNA molecule imaginable. From the itty-bitty genomes of viruses, plasmids, and organelles to the gargantuan nuclear genomes of plants, animals, and protists, from the oh-so-boring-won't-reveal-a-darn-thing-about-anything genomes to the super-cool-send-me-to-Nature genomes, you name it, there's a genome paper for it.

Illustration only/Apenas ilustração

I built my PhD thesis on genome papers, and most of my peers did the same. My first undergraduate research project was to sequence and describe the mitochondrial genome of the giant sea scallop. On top of being a riveting conversation starter at the campus pub, the scallop genome taught me tons about genetics and the publication process. A genome project, when the sequence is manageable, like a mitochondrial DNA, can be an excellent teaching tool. There is a well-defined goal, the methods are generally straightforward and cover a wide range of techniques, from molecular biology to population genetics to bioinformatics, and writing up the data is often enjoyable, and in some ways similar to a character sketch.

One of the drawbacks of genome papers, however, is that they can create a mindset of sequence first, ask questions later. I once attended a Masters thesis defense where the external examiner asked the candidate why he sequenced the chloroplast genome of this particular species and what hypothesis was he trying to test. The student, looking startled, answered, “Because the genome hadn't been sequenced before and we didn't know what it looked like.” After the defense, I overheard the examiner in the hallway venting to another professor. “We've created a culture of serial genomicists,” she exclaimed. “Everyone's jumping from one genome sequence to the next, looking to score a major publication.”

Regardless of this opinion, genome papers have provided much of the raw data that have shaped our view of genetics and evolution over the past 20 years. And they can also be a joy to read. Many of my favorite journal articles are genome papers. I remember, when I was a grad student in phycology, eagerly awaiting publication of the genome for Chlamydomonas—the superstar of green algae—and reading it incessantly once it was released, gleaning new insights each time through. There is something intimate and personal in learning about a species' genome. And similarly, if you are part of the team describing the genome, there is a feeling that you're giving the readers a first glimpse at an uncharted territory, with its unique landscape of genes, introns and intergenic regions.

But all of this may be coming to an end. Next generation DNA sequencing techniques have made it easy, fast and cheap to sequence genomes. Today, just about any scientist can walk out their laboratory doors, point to a living thing and say, “I will sequence you!” High-throughput technologies have flooded the academic market with genome papers. And the top journals have responded by only accepting papers describing the most novel, earth-shattering genomes. The less spectacular genomes, much like B-movies, go directly to video, or rather directly to GenBank. This sequencing-vs-publishing arms race has been going on for a long time.

Cientistas da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Paris-Diderot, da França, pesquisarão contra uma evidência a favor da evolução!

quinta-feira, junho 13, 2013


Por Karina Toledo

Agência FAPESP – Cientistas da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Paris-Diderot, da França, criaram o Consórcio Internacional em Hematologia (International Network in Hematology) com o objetivo de promover a colaboração em pesquisas voltadas a melhorar o diagnóstico e o tratamento da anemia falciforme e outras doenças do sangue.

De acordo com Belinda Simões, professora da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP-USP) e uma das coordenadoras do grupo, a intenção é promover o intercâmbio de pesquisadores e estudantes das instituições, além de facilitar a obtenção de verba das agências de fomento para pesquisas em conjunto.

“A anemia falciforme é a doença hereditária mais prevalente no Brasil e estima-se que existam mais de 50 mil afetados. É uma questão de saúde pública no país e, por isso, vamos nos centrar nesse tema inicialmente. O consórcio também trabalhará com falências medulares, como é o caso da anemia aplástica, e doenças autoimunes, como diabetes e esclerodermia”, contou Simões, pesquisadora do Centro de Terapia Celular (CTC) – um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) da FAPESP.

Mais comum em populações afrodescendentes, a anemia falciforme é causada por uma alteração genética na hemoglobina, proteína que dá a coloração avermelhada ao sangue e ajuda no transporte do oxigênio pelo sistema circulatório.

Durante simpósio que oficializou parceria entre a Universidade de São Paulo e a Paris-Diderot, pesquisadores defendem a inclusão do transplante de células-tronco hematopoiéticas no SUS (foto: NHS)

Essa alteração faz com que as hemácias – glóbulos vermelhos do sangue – assumam a forma de foice ou meia-lua depois que o oxigênio é liberado. As células deformadas se tornam rígidas e propensas a se polimerizar, ou seja, a formar grupos que aderem ao endotélio e dificultam a circulação sanguínea.

Além de inflamação constante, esse processo vaso-oclusivo pode causar necrose em vários tecidos e crises de dor intensa. É comum o aparecimento de úlceras nas pernas, descolamento de retina, priapismo (ereções prolongadas e dolorosas), acidente vascular cerebral, infartos, insuficiência renal e pulmonar. A doença também compromete os ossos, as articulações e tende a se agravar com o passar dos anos, reduzindo em cerca de 25 a 30 anos a expectativa de vida.

“Estamos tentando identificar centros de excelência em todo o mundo para estabelecer protocolos comuns de pesquisa e, com base nos resultados, criar diretrizes para a doença. O CTC de Ribeirão Preto é um desses centros. Estamos oficializando uma parceria que já vem de longo tempo”, afirmou Eliane Gluckman, professora de Medicina na Universidade Paris-Diderot e responsável pelo primeiro transplante de células-tronco de sangue de cordão umbilical do mundo.

O objetivo da colaboração, segundo Gluckman, é não só buscar bons métodos para diagnóstico e tratamento da anemia falciforme como adaptá-los para países em desenvolvimento. “A maioria dos pacientes está na África ou na Índia e não tem acesso a cuidados básicos. Mas isso não será fácil, pois nem em nossos países [França e Brasil] estamos diagnosticando e tratando da forma mais adequada”, afirmou.

Segundo Gluckman, o único tratamento capaz de curar a anemia falciforme é o transplante de células-tronco hematopoiéticas, que podem ser obtidas da medula óssea de um doador compatível ou de bancos públicos de sangue do cordão umbilical.

“No Brasil, esse procedimento ainda não é reconhecido. Nos Estados Unidos, por exemplo, foram transplantados pouco mais de 600 pacientes, quando a estimativa é de que aproximadamente 100 mil tenham indicação para o tratamento. Na Europa, também são pouco mais de 600 transplantados”, afirmou Gluckman.

Panorama brasileiro

De acordo com Simões, 21 portadores de anemia falciforme já foram submetidos ao transplante de células-tronco hematopoiéticas no Brasil – 14 deles no CTC. “Desses, apenas três morreram (apenas uma em Ribeirão Preto) e não por causa do transplante, mas por complicações de saúde causadas pela doença em estágio avançado”, afirmou.

Mas o procedimento ainda é considerado experimental pelo Ministério da Saúde e, portanto, não é ressarcido pelo Sistema Único de Saúde (SUS). “Aguardamos há muito tempo a revisão dessa portaria. Eles argumentam que ainda não há evidências científicas suficientes para aprovar o tratamento, mas já há mais de 1.200 transplantados no mundo e o índice de sobrevida é de 94%. Os pacientes ficam completamente curados. Nem leucemia nem nenhuma outra doença em que há indicação para esse tipo de procedimento tem índice de sucesso tão alto”, disse Simões.

A pesquisadora acredita que a aprovação do transplante para tratar anemia falciforme seria uma opção mais barata para a rede pública do que o tratamento das complicações da doença ao longo de toda a vida dos pacientes. Segundo Simões, uma das metas do consórcio será justamente fazer essa comparação de custos.

“No caso dos pacientes em regime de exsanguineotransfusão (troca lenta e sucessiva de pequenas frações de sangue), por exemplo, um mês e meio de tratamento já cobre o custo do transplante. Temos o caso de um paciente de 38 anos que a cada 15 dias fazia esse procedimento, não trabalhava e não pagava impostos. Depois do transplante, ele conseguiu estudar e hoje tem um emprego e não custa mais nada para o governo”, exemplificou a médica.

Além disso, acrescentou Simões, apenas 20% dos portadores de anemia falciforme têm indicação para transplante de acordo com o protocolo usado nas pesquisas brasileiras, que exige, entre outras coisas, que o doador seja um irmão compatível. “Só com esse pré-requisito o número de pacientes elegíveis cai muito. Há países que aceitam que a mãe seja doadora ou usam sangue de cordão umbilical. Mas, como no Brasil há esse problema de verba, preferimos começar apenas com irmãos e depois expandir”, disse.

Procurado pela reportagem, o Ministério da Saúde informou que “a indicação do transplante de medula óssea alogênico foi incluída na discussão da atualização do regulamento técnico de transplantes do país, com previsão de publicação no segundo semestre deste ano”.


Os 11 pesquisadores que integrarão o Consórcio Internacional em Hematologia estiveram reunidos nos dias 9 e 10 de maio, durante o Simpósio em Hematologia e Imunologia USP-Paris-Diderot. O evento foi realizado no âmbito de um acordo de colaboração científica entre a USP e a Universidade Paris-Diderot assinado no mês de maio, que abrangerá também outras áreas da ciência. 



Examine quaisquer livros didáticos de Biologia do Ensino Médio recomendados pelo MEC/SEMTEC e lá os autores apresentam a ANEMIA FALCIFORME (ou Siclemia) como uma das evidências a favor do fato, Fato, FATO da evolução, pois confere resistência a um tipo de malária, o que permite a sua perpetuação nesta população.

Agora os cientistas da USP e da 
Universidade Paris-Diderot, da França, criaram o Consórcio Internacional em Hematologia (International Network in Hematology) com o objetivo de promover a colaboração em pesquisas voltadas a melhorar o diagnóstico e o tratamento da anemia falciforme e outras doenças do sangue. QED: vão impedir que UMA EVIDÊNCIA A FAVOR DA EVOLUÇÃO tenha livre curso em  certas populações humanas.

Senhores, se nada em biologia faz sentido à luz da evolução, sejamos teoricamente fiéis a Darwin, e não interfiramos no processo cego e aleatório da evolução!!!

Informação biológica - Novas perspectivas - Baixe os artigos do Simpósio realizado na Universidade Cornell em 2011

segunda-feira, junho 10, 2013

Biological Information - New Perspectives

Proceedings of the Symposium

Cornell University, USA, 31 May – 3 June 2011

edited by: Robert J Marks II (Baylor University, USA) edited by: Michael J Behe (Lehigh University, USA) edited by: William A Dembski (Discovery Institute, USA) edited by: Bruce L Gordon (Houston Baptist University, USA) edited by: John C Sanford (Cornell University, USA)

Energia, genes e evolução: introdução para uma síntese evolucionária (Darwin 3.0)

Energy, genes and evolution: introduction to an evolutionary synthesis

Author Affiliations

1Department of Genetics, Evolution and Environment, University College London, London, UK

2Institute of Molecular Evolution, Heinrich-Heine-Universität, Düsseldorf, Germany

3Division of Plant Science, University of Dundee at the James Hutton Institute, Dundee, UK

4School of Biological and Chemical Sciences, Queen Mary University of London, London, UK


Life is the harnessing of chemical energy in such a way that the energy-harnessing device makes a copy of itself. No energy, no evolution. The ‘modern synthesis’ of the past century explained evolution in terms of genes, but this is only part of the story. While the mechanisms of natural selection are correct, and increasingly well understood, they do little to explain the actual trajectories taken by life on Earth. From a cosmic perspective—what is the probability of life elsewhere in the Universe, and what are its probable traits?—a gene-based view of evolution says almost nothing. Irresistible geological and environmental changes affected eukaryotes and prokaryotes in very different ways, ones that do not relate to specific genes or niches. Questions such as the early emergence of life, the morphological and genomic constraints on prokaryotes, the singular origin of eukaryotes, and the unique and perplexing traits shared by all eukaryotes but not found in any prokaryote, are instead illuminated by bioenergetics. If nothing in biology makes sense except in the light of evolution, nothing in evolution makes sense except in the light of energetics. This Special Issue of Philosophical Transactions examines the interplay between energy transduction and genome function in the major transitions of evolution, with implications ranging from planetary habitability to human health. We hope that these papers will contribute to a new evolutionary synthesis of energetics and genetics.

energy flow genomes mitochondria origin of life


Demissão de professor expõe limite entre ensino e doutrina religiosa

quinta-feira, junho 06, 2013

JC e-mail 4740, de 05 de Junho de 2013.

Reportagem do Portal Terra sobre professor de história que foi demitido, segundo ele, por se recusar a abordar conteúdos religiosos nas aulas

A demissão de um professor de história do colégio particular La Salle Pão dos Pobres, em Porto Alegre (RS), ocorrida no dia 17 de maio, provocou protesto dos alunos contra a direção e trouxe à tona dúvidas sobre até que ponto a doutrina religiosa de escolas confessionais (ligadas a uma crença religiosa) pode influenciar o currículo e a rotina da comunidade escolar.

Há quase cinco anos como professor de história na escola confessional de linha cristã, Giovanni Biazzetto foi demitido, segundo sua versão, sem ter recebido uma "explicação plausível". O professor alega que houve "perseguição religiosa" por parte do novo diretor, o irmão Olir Facchinello - que está no comando da instituição desde janeiro deste ano). O docente conta que, durante as reflexões diárias com que as turmas iniciam a aula, foi exigido que ele abordasse conteúdos de cunho religioso, tarefa que recusava.

"Em nenhum momento me disseram que eu deveria dar uma aula com doutrina religiosa. Agora imagina que coerção é para um professor que não tem aquela crença escutar o diretor dizer: 'todos vocês têm que falar sobre os dons do Espírito Santo em sala de aula'", comenta Biazetto. O professor também se defende dizendo que nunca recebeu nenhuma advertência anteriormente. "Minhas aulas sempre foram estruturadas no debate, na leitura e na escrita. Isso sem contar os projetos educacionais que criamos no colégio e que estão em andamento desde 2010", diz.

Conforme informações divulgadas em nota pela assessoria de comunicação da rede La Salle Porto Alegre, o professor foi demitido devido a "uma questão técnico-pedagógica". A assessoria não atendeu a solicitação da reportagem para entrevistar a direção da escola ou da rede e não comentou as afirmações do professor demitido.

Ao lado de Biazetto, estão dezenas de alunos e seus pais que protestaram em frente à escola contra a demissão. De acordo com uma mãe que não quis se identificar, o grupo teria recebido ameaças por parte da escola de perder bolsas, por isso, os pais dos alunos envolvidos denunciaram a escola no Conselho Tutelar, que está apurando o caso. Atualmente, o La Salle Pão dos Pobres conta com cerca de 430 alunos, sendo que 70% deles possui bolsa integral e 25% bolsa parcial.

Ensino religioso é facultativo, mas proselitismo é vedado
A postura do novo diretor também é alvo de críticas da professora de filosofia do colégio, Gabriela Bercht, que resolveu pedir demissão depois do ocorrido com o colega. "A escola foi se tornando um lugar mais conservador em todos os sentidos. Nossa autonomia como professor vinha sendo limitada, o que torna nosso trabalho quase impossível".

Biazzetto conta ainda que, um dia antes de sua demissão, o presidente da mantenedora, irmão Jardelino Menegat, fez um discurso para o grupo de educadores da escola que gerou preocupação no corpo docente. "Ele disse: 'quem não é cristão não serve para a nossa instituição'. Isso comprova que a escola não está apenas seguindo uma identidade cristã. No plano pastoral do La Salle, diz que é preciso zelar pelos valores e pelos princípios, mas nunca impor para alguém uma doutrina. Tanto é que na rede não existe catequese. E o irmão tenta impor esta questão religiosa", conta o professor demitido.

De acordo com a Lei de Diretrizes e Base da Educação Nacional (LDB) do Ministério da Educação (MEC), as escolas possuem autonomia quanto à metodologia de ensino adotada, mas devem contemplar conteúdos obrigatórios. A educação religiosa, conforme o artigo 33 da LDB, é facultativa. No caso da escola oferecer a disciplina, seja ela privada ou pública, deve ser assegurado o respeito à diversidade e fica vedada qualquer forma de proselitismo religioso, ou seja, nenhuma doutrina pode ser imposta aos alunos.

A diferença para as escolas privadas confessionais é, segundo o Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino Privado no Estado do Rio Grande do Sul (Sinepe-RS), que elas têm autonomia para dar mais ênfase à sua religião no projeto pedagógico.

Segundo a assessora educacional da rede em Porto Alegre, Rosemari Fackin, o ensino religioso nas instituições lassalistas segue os parâmetros nacionais da lei e trabalha valores da doutrina sem cunho catequético. "Não temos a ideia de catequisar os alunos. Fazemos reflexões diárias, o que não quer dizer que seja uma reza ou algo doutrinário. Tanto que temos crianças de outras religiões e que assistem à aula de ensino religioso. E se o pais não quiserem, o aluno pode sair da sala", explica.

Evolucionismo X Criacionismo

A coordenadora do programa de pós-graduação em educação da Universidade Metodista de São Paulo, Roseli Fischmann, afirma que, nas escolas confessionais, os pais devem conhecer previamente qual o tipo de abordagem educacional da instituição. Contudo, deve ser assegurado o ensino dos conteúdos obrigatórios, mesmo aqueles que, como o evolucionismo de Darwin, vão contra ao que ensina a doutrina do colégio.

"Não se pode interferir no conteúdo como se ele fosse algo que muda de escola para escola. Dentro destas três categorias, pública, particular privada e a particular comunitária confessional, as instituições devem oferecer conhecimento científico acumulado pela humanidade", explica. Roseli reforça que "os professores não podem ser obrigados a ensinar algo que não está correto do ponto de vista pedagógico e da legislação ou que vá ferir a consciência deles enquanto profissionais".



A Dra. Roseli Fischmann está corretíssima, mas o que deveria ocorrer em todas as salas de ciência nas escolas públicas e privadas brasileiras é informar aos alunos que
o conhecimento científico acumulado pela humanidade demonstra a falência heurística da teoria da evolução de Darwin através da seleção natural e n mecanismos evolucionários de A a Z no contexto de justificação teórica, e que uma nova teoria geral da evolução está sendo elaborada na surdina - a SÍNTESE EVOLUTIVA AMPLIADA ou ESTENDIDA, que somente será anunciada em 2020. Todavia, isso não está sendo ensinado nas escolas. 

O nome disso, Dra. Fischmann, é 171 epistêmico, e a Sra. e o MEC sabem disso!!!


De acordo com a assessora educacional da rede em Porto Alegre, a contratação dos professores independe de crença, e as escolas lassalistas contemplam os conteúdos obrigatórios. "Por exemplo, eu posso ser cristã e, no entanto, acreditar na evolução de Darwin. Existem as duas teorias, e elas precisam ser explicadas e podem ser debatidas em uma aula de ciências", diz Rosemari.

(Portal Terra)

Ser evolucionista - Masatoshi Nei e o núcleo duro da evolução

segunda-feira, junho 03, 2013

Ser evolucionista - Masatoshi Nei e o núcleo duro da evolução

Você acha que o mundo surgiu espontaneamente? Ninguém concordaria com isso, nem mesmo um evolucionista. Mas isso, na verdade, é o que os evolucionistas acreditam. Na verdade, eles dizem que isso é um fato. Um fato tanto quanto a gravidade ou a Terra ser redonda. Não deve haver nenhum design, não há causas finais, nem teleologia. O mundo deve ter surgido por si mesmo — espontaneamente. E não, a seleção natural não muda isso. Não existe uma varinha de condão ou um feedback loop que faça o processo evolucionário hipotetizado não ser um processo espontâneo. E de qualquer maneira, a seleção natural finalmente está encontrando o seu fim há muito aguardado, e confirmando ainda mais o que é ser evolucionista.

Eis um teste. Quando eu lhe disser uma palavra, você me diz a primeira coisa que lhe vem à mente. Eis a palavra: Evolução. Resposta: Seleção natural, certo? Se o seu professor de biologia pudesse usar somente uma ideia para descrever a evolução, provavelmente teria sido seleção natural. Ela era praticamente sinônima com a evolução.

Mas isso era ontem, e agora é assim.

O conceito de seleção natural sempre teve problemas e em anos recentes eles ficaram cada vez mais fortes. Tão fortes que os evolucionistas, um por um, estão admitindo aos poucos que a seleção natural não poderia ser a fonte importante, primária que era defendida por muito tempo como sendo assim.

Considere, por exemplo, o novo livro de Masatoshi Nei, Mutation-Driven Evolution [Evolução guiada por mutação]. O termo “guiada por mutação” quer dizer que as mutações não somente são tidas como fornecendo as matérias brutas para a mudança evolucionária, mas que elas também são tidas como causando a mudança evolucionária sem a ajuda da venerável seleção natural.

Você pode estar reclamando agora se você se lembrar todas as vezes que lhe disseram que o neodarwinismo — evolução por meio de mutação aleatória e seleção natural — era um fato. Se os evolucionistas tais como Nei estão agora descartando tão facilmente o antes alardeado “fato”, então por que nós devemos crer a nova versão deles? Particularmente quando a nova versão é ainda mais improvável do que a antiga versão, se isso fosse possível.

Mas, cuidado. Os evolucionistas nunca quiseram afirmar que o neodarwinismo era um fato. Eu sei que isso foi o que eles disseram, e bem energicamente. Mas eles disseram isso somente por que o neodarwinismo era a atual versão da teoria evolucionária. O que eles quiseram realmente dizer era que a evolução, amplamente construída, é um fato. O neodarwinismo, como todas as hipóteses particulares da evolução, era sempre descartável.

As hipóteses da evolução podem ser atiradas debaixo do ônibus a qualquer hora. O que não pode ser questionado é a evolução amplamente construída, ou como Ernst Mayr costumava dizer, a evolução por si mesma. E o que é evolução por si mesma? Que as espécies surgiram de acordo com os eventos aleatórios e lei naturaln— acaso e necessidade. A biologia não tem mão que dirija, não tem nenhum design ou causas finais. Deve ter surgido espontaneamente. Isso, como Lakatos afirmaria, é o núcleo duro da evolução.

E isso é que é ser um evolucionista.

Postado por Cornelius Hunter Sábado, 1 de junho de 2013.



Queria ver a cara de alguns cientistas da Nomenklatura científica tupiniquim e da Galera dos meninos e meninas de Darwin - a cada dia que passa é mais um prego no caixão da teoria da evolução de Darwin através da seleção natural e n mecanismos evolucionários de A a Z e em todos os multiversos (se existirem...).

Pano rápido, pois em ciência tem coisas mais interessantes do que contos da carochinha ou mitos de criação secularistas...

Evolução guiada por mutação - mais um prego no caixão da teoria da evolução de Darwin???

Mutation-Driven Evolution

by Masatoshi Nei

The purpose of this book is to present a new mechanistic theory of mutation-driven evolution based on recent advances in genomics and evolutionary developmental biology. The theory asserts, perhaps somewhat controversially, that the driving force behind evolution is mutation, with natural selection being of only secondary importance. The word 'mutation' is used to describe any kind of change in DNA such as nucleotide substitution, gene duplication/deletion, chromosomal change, and genome duplication. A brief history of the principal evolutionary theories (Darwinism, mutationism, neo-Darwinism, and neo-mutationism) that preceded the theory of mutation-driven evolution is also presented in the context of the last 150 years of research. However, the core of the book is concerned with recent studies of genomics and the molecular basis of phenotypic evolution, and their relevance to mutation-driven evolution. In contrast to neo-Darwinism, mutation-driven evolution is capable of explaining real examples of evolution such as the evolution of olfactory receptors, sex-determination in animals, and the general scheme of hybrid sterility. In this sense the theory proposed is more realistic than its predecessors, and gives a more logical explanation of various evolutionary events.

Editorial Reviews

About the Author

Masatoshi Nei is a molecular evolutionary geneticist and has developed many statistical methods that are widely used for evolutionary studies at present. He has also studied human evolution and evolution of multigene families, immune systems genes, sensory receptor genes, etc. Masatoshi Nei is currently Evan Pugh Professor of Biology at the Pennsylvania State University and is a member of the National Academy of Sciences. He received numerous Awards including the International Prize for Biology from Japan and the Thomas Morgan Medal from the Genetics Society of America. Nei is a co-founder of the journal Molecular Biology and Evolution and served as President of the Society for the Study of Molecular Biology and Evolution and American Genetic Association.

Mutation-Driven Evolution is suitable for graduate level students as well as professional researchers (both empiricists and theoreticians) in the fields of molecular evolution and population genetics. It assumes that the readers are acquainted with basic knowledge of genetics and molecular biology.

Source: Amazon Books